A arte de amar

Os meus clientes me perguntam sobre a arte de dar e receber amor e se perguntam como se dar bem nos seus relacionamentos e eu tentarei responder com a minha experiência, enfatizando que há uma série de aspectos a serem considerados. Apresento aqui apenas alguns deles, mas o mais importante de todos é que você deve ser o melhor companheiro possível para o outro. Não nos referimos à sexualidade, mas à vida como um todo que evidentemente está além da vida sexual que não é necessariamente o que há de mais importante para a felicidade as boas relações.

  1. O primeiro é a aceitação.

Você precisa aceitar o seu parceiro ou sua parceira exatamente como ele ou ela é. Se você tentar mudar ele ou ela, eles deixarão de ser quem elessão. Na verdade, a única pessoa no mundo que você tem o poderde mudar é apenas e tão somente você e jamais você poderá as outras pessoas.

  1. O segundo aspecto é a atração.

Nunca se esqueçam da qualidade que fez com que você escolhesse o seu parceiro ou sua parceira, e o que fez com que ele ou ela escolhesse você. O que chamou a atenção quando vocês se viram pela primeira vez. Mantenham isto! Esta poderosa essência pode estar dentro de vocês embora o corpo e a aparência física possam ter exteriormente se transformado com o tempo.

  1. O terceiro detalhe é a comunicação.

Ouça o outro como se a última vez, como se você fosse passar por uma prova sobre o assunto em questão amanhã. Isto de fato ocorrerá. Fale cuidadosamente como se as suas palavras fossem se transformar em pedras sendo atiradas, porque elas na verdade se transformarão em algo que não sabemos bem o quê.

  1. O quarto item é o compromisso.

Aconteça o que acontecer mantenha a amizade, mantenha a sua palavra empenhada e o seu compromisso em relação ao outro, como sendo um valor, a coisa mais importante de todas as prioridades. O casal precisa se alinhar em torno de valores e manter o seu compromisso em torno deles.

  1. O quinto é o humor e a diversão.

Procure prazer do outro, dê prazer ao outro, e lembrem-se de que o prazer está mais em dar do que em receber. Se você tem bom humor em relação ao outro, ele terá o mesmo para com você, portanto, procure ajudar o outro se divertir em sua companhia e a fazer da relação algo positivo e agradável.

  1. O sexto aspecto são os propósitos e os projetos.

Lembre-se de que o seu propósito e o sentido da sua vida é ser a melhor pessoa do mundo para o outro, o melhor amigo e se forem amantes; que você seja o melhor amante e o melhor companheiro possível para o outro no Mundo. A relação será melhor pelo que você fizer de melhor antecipadamente pelo outro,sem esperar nada em troca, assim, tome a iniciativa e comece você a ser excelente.

  1. O sétimo item é a confiança.

Confie profundamente no outro como se a sua vida dependesse disto, e de fato a vida do outro fica melhor quando você acredita nele ou nela, porque o outro precisa desta sua confiança e tenderá a se ajustar às suas expectativas e a retribuir você com a confiança que você deposita nele ou nela, confirmando a confiança que você depositou.

  1. O oitavo quesito está relacionado com a integridade.

Seja sempre integro e profundamente honesto em relação ao outro e não cobre nada em troca do outro ou da outra e nem exija a mesma coisa em troca. Se o outro for íntegro porque você exigiu, esta integridade não é real e não valeria nada.

  1. O nono princípio está relacionado com a individualidade.

Respeite o outro como um ser único e irrepetível no mundo, diferente de tudo que você conhece. Ele precisa manter a sua identidade como uma pessoa exclusiva, alguém que mereceu a sua escolha e você precisa não apenas respeitar este jeito único de ser no mundo, mas também ajudá-lo ou ajudá-la a ser cada vez mais aquilo que ele ou ela já é.

  1. O décimo item é sobre o ambiente íntimo do casal.

Esteja atento ou atenta ao ambiente natural, sociocultural, político, econômico e humano no qual vivem. Este ambiente impõe regras, valores, limites e cria as condições que cada um precisa para viver as suas vidas e muitas mudanças são consequências de ciclos vitais, de pressões e coerções que transcendem as necessidades e as vontades do casal. Pensem nisto!

 

José Carlos Vitor Gomes, Psic.
(19) 99191-5685
jcvitor@uol.com.br

Ainda não existe comentários

Deixe uma resposta